Todos estão assistindo esta polêmica animação no Amazon Prime Video

Todos estão assistindo esta polêmica animação no Amazon Prime Video
  • “Hazbin Hotel” é uma animação americana em sexto lugar no ranking do Amazon Prime Video no Brasil.
  • A série é uma comédia musical para adultos que oferece uma visão inovadora do Inferno.
  • Além da primeira temporada, a série possui um spin-off chamado “Helluva Boss”.

A animação americana “Hazbin Hotel” conquistou o público brasileiro e está em sexto lugar no ranking das mais assistidas no Amazon Prime Video. Criada por Vivienne “VivziePop” Medrano, a série é uma comédia musical para adultos que oferece uma visão inovadora do Inferno.

A trama gira em torno de Charlie Morningstar, a princesa do Inferno, que busca uma solução menos draconiana para o tratamento dos pecadores: reabilitá-los para que possam ascender ao Céu, fugindo do extermínio recorrente ditado pelo Paraíso. Com essa premissa peculiar, a série abriu espaço para discussões sobre moralidade e redenção, com um humor aguçado e sequências musicais arrebatadoras.

“Hazbin Hotel” começou como um fenômeno cult no YouTube, lançando seu episódio piloto em outubro de 2019. Com fãs globais e financiamento coletivo através do Patreon, a série conseguiu produzir sua primeira temporada, que estreou no Amazon Prime Video em 18 de janeiro de 2024. Além disso, uma segunda temporada já está em produção.

O universo de “Hazbin Hotel” também se expandiu para um spin-off chamado “Helluva Boss”, lançado em outubro de 2020, que explora outros personagens do mesmo inferno criativo. Com o lançamento no Prime Video, “Hazbin Hotel” quebrou recordes, tornando-se a estreia global mais assistida entre as novas séries animadas do serviço de streaming.

A animação tem recebido elogios tanto da crítica quanto do público. Com uma aprovação de 85% no Rotten Tomatoes e uma média de 7.6/10, a série é elogiada por sua animação de alta qualidade, composições musicais envolventes e um elenco diversificado de personagens marcantes.

Além disso, a série é aplaudida por introduzir protagonistas femininas e representação queer, criando um universo colorido e inclusivo.

No entanto, apesar dos elogios, alguns críticos apontam que a narrativa e o desenvolvimento dos personagens poderiam ser aprimorados. Também há críticas sobre a abordagem superficial de questões “cosmogônicas” e a falta de profundidade nas motivações dos personagens principais.

Alexandre Garcia PeresEditor do Sobre Sagas e Analista de SEO da WebGo/Content. Raramente ri com filmes e prefere muito mais um dramão. Sempre conta os dias pelos próximos filmes do Tarantino, da Pixar e do Studio Ghibli e frequentemente reassiste os mesmos filmes na dúvida do que assistir. Pela formação em Letras, tem pavor de adaptações ruins de livros e sente um leve prazer ao assistir filmes muito ruins, especialmente os que passam na TV aberta. No tempo livre, gosta de tocar violão/guitarra, jogar videogame e brincar com um dos seus 12 gatos.
FacebookLinkedin
Fechar