Conheça a história real que inspirou o filme da Netflix “Only Mine”

Histórias sobre relacionamentos abusivos e violência contra a mulher são sempre difíceis de serem assistidas, especialmente pelo fato desse tema ser muito mais comum e real do que gostaríamos. É justamente sobre isso que o filme “Only Mine”, que estreou essa semana na Netflix, fala e o mais doído é que logo no início sabemos que a obra foi baseada em uma história real.

Com direção do cineasta Michael Civille, o filme não é um original Netflix como vários outros lançados recentemente na plataforma. “Only Mine” estreou nos cinemas em 2019 e trouxe a estrela da série Legião, Amber Midhunter no papel de Julie Dillon, a protagonista que foi inspirada em uma vítima real de violência contra a mulher.

Conheça sobre a história real que serviu como base para o roteiro de “Only Mine”, nos parágrafos a seguir.

ATENÇÃO: esse texto contém spoilers do filme “Only Mine”.

Sobre Only Mine

Em “Only Mine”Julie Dillon é uma jovem universitária que trabalha em uma lanchonete. Um dia indo para o trabalho, ela é parada pelo charmoso David (Brett Zimmerman), um policial que depois de liberá-la, passa a cortejá-la e em pouco tempo os dois engrenam em um relacionamento.

Com o passar do tempo, Julie começa a perceber que seu namorado não é o cara perfeito que ela acreditava no início, e assim como tantas mulheres, acaba se vendo em um relacionamento abusivo.

Tomando coragem, ela decide dar um basta na relação, porém, não imagina que não será assim tão fácil se livrar do ex, que passa a agir como um perseguidor perigoso disposto a tê-la de qualquer jeito.

História real que inspirou Only Mine

only-mine-história real

Apesar de ter sido baseado em fatos, a verdade é que o filme acaba usando apenas a ideia geral do caso no qual se inspirou. A história de Laura Kucera aconteceu entre 1994 e 1995, e teve um desfecho muito diferente do que o apresentado em “Only Mine”.

Em outubro de 1994, Laura, na época com 19 anos, foi sequestrada e acabou levando dois tiros na cabeça e um no ombro, disparados pelo ex-namorado Brian Anderson. Ele não era policial, nem muito mais velho que ela, como acontece com o personagem DavidBrian tinha 22 anos quando tudo aconteceu.

O criminoso abandonou a garota em uma vala e a deixou para morrer, porém, se arrependeu e acabou acionando a polícia quatro dias depois, contando o que havia feito e onde poderiam encontrar Laura.

Impressionantemente, mesmo com os ferimentos e as baixas temperaturas que faziam naquele outono, ela conseguiu sobreviver a esses quatro dias, mas, diferente do filme, ela não despertou, muito menos se vingou do ex-namorado, como Julie acaba fazendo.

Laura foi diretamente enviada a um hospital, onde permaneceu por 51 dias e teve um processo de recuperação longo e custoso, onde, entre muitas outras coisas, ela teve que reaprender a andar.

Brian, ao invés de morto como o David  do filme,  passou por um julgamento em maio de 1995, onde foi condenado a 55 anos de prisão, e permanece preso até hoje.

Infelizmente, mesmo depois de tudo o que superou, o futuro de Laura acabou sendo trágico, muito diferente do que o final da Julie no filme, dá a entender.

Em setembro de 1995, quase um ano após tudo ter acontecido, ela sofreu um grave acidente de carro enquanto dirigia para a casa de sua avó, e acabou falecendo.

Recepção do Filme

Em geral, o filme não recebeu boas avaliações nem por parte da crítica, nem por boa parte do público, especialmente por ter se desviado tanto dos fatos no qual foi inspirado.

No Rotten Tomatoes a avaliação da audiência conquistou apenas 19% de aprovação e no IMDb tem nota de 4.7, sugerindo muitas avaliações negativas.

“Only Mine” está disponível para todos os assinantes da Netflix desde o dia 27 de outubro.

CONFIRA Também:

É para crianças? Esta animação da Netflix vem causando polêmica entre os assinantes

E então, você assistiu “Only Mine” na NetflixO que achou do filme? Conta para a gente aqui nos comentários.

Aline ResendeFormada em Marketing e pós graduanda do curso de Língua Portuguesa e Literatura. Trabalha na área de comunicação como Criadora de Conteúdo além de fazer trabalhos de atuação e locução para materiais em vídeo. Pseudo-cinéfila e apaixonada por todo universo Geek.
Instagram
Fechar