NETFLIX | Vice-presidente do streaming acusa Disney+ de inflar número de assinantes

De acordo com executivos da Netflix, 30% dos números divulgados pela Disney+ são inflacionados, pos pertencem ao Hotstar na Índia.

Parece que os principais serviços de streaming, como a Netflix e o Disney+, estão mesmos dispostos a travar uma verdadeira guerra por assinantes. A chegada do Disney+ na América Latina e em outros territórios fora da Europa/América do Norte fez com que os números do serviço disparassem: de acordo com a própria Disney, a plataforma fechou 2020 com 87 milhões de assinantes.

Quem não tem gostado muito dessa concorrência são os executivos da Netflix, que a alguns anos atrás, era a única e principal referência no assunto streaming. Para não sair por baixo, o vice-presidente de finanças da plataforma acusou a Disney de mentir sobre seu número de assinantes:

“Não é tentando tirar nada que a Disney fez porque tem sido incrível e eu mesmo sou um cliente feliz, mas 30% daqueles 87 milhões de assinantes pagantes eram da Hotstar (na Índia), que eu acredito que todos nós reconhecemos como um serviço diferente”, disse o executivo durante a tradicional reunião trimestral que a Netflix faz com seus acionistas.

CONFIRA Também:
PERCY JACKSON | Rick Riordan compartilha atualizações sobre o roteiro da série

Disney+: Serviço de streaming chegou na América Latina em 2020 e, desde então, tem feito grande sucesso (Netflix)
Disney+: Serviço de streaming chegou na América Latina em 2020 e, desde então, tem feito grande sucesso.

Na mesma oportunidade, o co-CEO da empresa, Reed Hastings, elogiou o conteúdo do Disney+, mas entende que ainda é limitado: “Isso nos deixa entusiasmados para nossa associação, aumentando nosso orçamento de conteúdo, e será ótimo para o mundo que a Disney e a Netflix estejam competindo show por show, filme por filme. Estamos bastantes animados em conquista-los na animação familiar – talvez até passá-los, veremos, um grande caminho a seguir para alcançá-los – e manter nossa liderança em entretenimento geral é bastante estimulador”.

Para exemplificar a limitação do catálogo do Disney+, Hastings citou a série “Bridgerton“, sucesso da Netflix produzido por Shonda  Rhimes: “eu não acho que vocês verão isso na Disney tão cedo”. Na apresentação, ele ressaltou que a Netflix não é presa a um público específico, e por isso, se apresenta como referência no entretenimento de forma geral.

A Netflix foi pioneira quando o assunto é serviço de streaming no Brasil: a plataforma foi inaugurada no país em Setembro de 2011 com assinaturas mensais de R$15. Desde então, o catálogo da plataforma tem crescido vertiginosamente. Já a Disney+ ainda é uma criança: ficou disponível aqui em Novembro do último ano, com um catálogo que inclui produções da Disney, Pixar, Marvel, LucasFilm e Net Geo.

Queremos saber: qual serviço de streaming é o seu favorito? Deixe nos comentários!

Arquiteto e Urbanista aficionado por Cenografia e Cinema. Administrador do Sobre Sagas desde 2013 e apaixonado por adaptações cinematográficas, especialmente de fantasia.

Deixe seu comentário