20 ANOS DE MAGIA | Confira a entrevista de Daniel Radcliffe e Elijah Wood para a Empire

Astros de "Harry Potter" e "O Senhor dos Anéis" falam sobre o sucesso da franquia, rivalidade entre os fãs, dificuldades nas gravações, e mais!

A Empire Magazine do mês de Abril está comemorando 20 anos do lançamento de “Harry Potter e a Pedra Filosofal” e “O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel“, e para isso, eles reuniram os astros Daniel Radcliffe (Harry Potter) e Elijah Wood (Frodo Bolseiro) para comentar sobre os respectivos filmes. Além disso, os atores também participaram de um ensaio exclusivo juntos, cujas fotos estamparão a capa da revista.

Como de costume, a revista Empire começa a distribuir suas publicações alguns meses antes do perído em que é datada, e a edição do mês de Abril já está disponível para compra desde 18 de Fevereiro. Mais de 40 páginas da edição, que conta com 130 páginas, são sobre as duas franquias de sucesso, com bastante conteúdo inédito para quem é fã das franquias. O mais interessante deles é, sem dúvidas, a seção “Quando Harry conheceu Frodo“, com uma conversa entre os dois protagonistas das sagas, cuja tradução e transcrição você confere à seguir:

Empire Magazine Daniel Radcliffe e Elijah Wood
Elijah Wood e Daniel Radcliffe na capa da Empire Magazine de Abril (Empire/Reprodução)

Vocês já se conheceram antes?
Elijah Wood: Já. Nos sets de Prisioneiro de Azkaban, certo?
Daniel Radcliffe: Sim. E Peter Jackson também nos visitou aquele dia?
Elijah Wood: Eu acho que sim. Nós estávamos em Londres fazendo ADR [substituição de diálogos nos filmes], e ele também estava na cidade fazendo algumas gravações, eu imagino, porque estávamos na pós-produção de “O Retorno do Rei”. Então nós aparecemos para ver vocês, o que foi super legal.
Radcliffe: Eu me lembro muito bem. Nós estávamos filmando as coisas do Lupin. Porque nós éramos crianças mesmo e vocês eram homens jovens, vocês pareciam como os irmãos mais velhos e mais legais, então foi ótimo tê-los no nosso set. Mas também me lembro do sentimento de que as duas franquias foram estranhamente opostas uma a outra – acho que isso era mais coisa da imprensa britânica.

Houve alguma sensação de rivalidade entre Potter e Anéis dentro das produções, na época?
Wood: Certamente não do nosso ponto de vista, não. Era apenas admiração por outra saga significante estar sendo feita por cineastas incríveis com um elenco maravilhoso.
Radcliffe: Sim, foi muito isso. É por isso que essa coisa de rivalidade, quando vinha da imprensa, de fato me aborrecia, porque eu ficava tipo “Nós não sentimos isso”. Sempre me pareceu bastante ridículo.

Elijah Wood e Daniel Radcliffe na capa da Empire Magazine de Abril (Empire/Reprodução)
Elijah Wood e Daniel Radcliffe para a Empire Magazine (Empire/Reprodução).

E sobre as duas séries sendo lançadas juntas, como dois rolos compressores intercaláveis de fantasia?
Wood: É divertido. Com as duas dominando o universo por um tempo, existia muita confusão que acontecia naturalmente. Embora nós nunca tenhamos entendido, porque sempre sentimos que os mundos eram tão diferentes.
Radcliffe: Digo, eu sinto que existia uma grande parte da população que, se você perguntasse: “Ian McKellen estava em Harry Potter?” diria que “Sim”, apenas porque parece que é algo que teria acontecido.
Wood: E você já foi confundido comigo, certo?
Radcliffe: Ah, centenas de vezes.
Wood: E vice versa. Isso ainda acontece até hoje.
Radcliffe: Bem, em primeiro lugar: desculpa…
Wood: [Risos] Não, Eu também – desculpe!
Radcliffe: E em segundo lugar, em que ponto isso começou a acontecer com você? Porque sempre que eu era confundido com você eu ficava tipo “Legal! Elijah Wood é mais velho que eu, e agora eu sou legal”. Mas se você que era confundido com o eu mais jovem, não era muito irritante?
Wood: Se tornou tão onipresente em minha vida que é difícil reconhecer o ponto de origem. Mas se eu fosse confundido com você em 2001 ou 2002, isso pareceria estranho porque você era [bem] mais novo que eu. Então isso deve ter sido depois de “O Senhor dos Anéis” ter saído, enquanto você envelhecia. Como aqueles filmes fizeram parte de um zeitgeist, nós acabamos sendo relacionados de alguma forma.
Radcliffe: Acho que éramos pequenos, pálidos, com os olhos azuis e cabelos castanhos, eu diria que nós não parecíamos muito. Mas a ideia sobre nós é exatamente a mesma.
Wood: Correto.
Radcliffe: Uma vez eu estava em um tapete vermelho no Japão e uma foto sua foi jogada em mim. Meu primeiro instinto foi dizer “Oh, eu não.. Então eu não posso” mas eu achei que a barreira de linguagem seria demais. Então a maneira mais rápida de lidar com isso foi escrever: “Eu não sou Elijah Wood, [assinado] Daniel Radcliffe” e espero que alguém tenha traduzido para ele depois.
Wood: Em diversas ocasiões eu já foi aplaudido por minha coragem no palco de Equus [Risos]. Uma vez eu estava em um elevador em Vancouver e éramos apenas eu e essa outra pessoa, e eu conseguia sentir ele olhando para mim intensamente. Assim que as portas se abriram para o lobby, ele finalmente tomou coragem, apontou para mim e disse “Harry Potter!” eu disse “Não!” e fui embora.
Radcliffe: [Risos] Nós estamos bastantes conectados, e os filmes são grandes o bastante nas mentes das pessoas, quando dizem para mim “Senhor dos Anéis” eu literalmente digo “Não. O outro”.

Elijah Wood e Daniel Radcliffe para a Empire Magazine (Empire/Reprodução)
Elijah Wood e Daniel Radcliffe para a Empire Magazine (Empire/Reprodução)

Vinte anos depois, como vocês descreveriam seus relacionamentos pessoais com Harry e Frodo?
Wood: Dan, sua experiência é tão única nisso… Você sabe, nós filmamos todos os três filmes de uma vez e então voltamos para a Nova Zelândia para cada filme subsequente, para gravar material adicional. Então a maior parte disso foram em quatro anos. Mas foi uma década para você, certo?
Radcliffe: Sim, foi. De 11 aos 21.
Wood: Este é um período tão transformador! Você realmente começou como uma criança e terminou como um homem.
Radcliffe: E quantos anos você tinha quando começou Senhor dos Anéis?
Wood: Dezoito.
Radcliffe: Okay, legal. Então pareceu com a diferença entre, talvez, a escola e a universidade, em termos de quem éramos naquele tempo. Quando eu conto para as pessoas que foi dos 11 aos 21, todo mundo tem aquele olhar “Oh, você ficou bem? [Risos] Eu não estou dizendo que qualquer parte da minha infância foi normal, mas foi realmente divertida e amorosa. Eu era uma criança inglesa de classe média-alta indo para uma escola de crianças inglesas de classe média-alta, e estar em um set cheio de pessoas diferentes me deu uma visão muito mais ampla de mundo. Nós também éramos incrivelmente isolados pelo tanto que trabalhávamos. Sobrava pouco tempo para sentir o impacto de se tornar famoso. Contudo, haviam períodos onde eu teria que voltar para a escola por um tempo e eu odiava aquilo, e não conseguia mais esperar para voltar aos sets. Quantos anos você tinha quando começou a atuar?
Wood: Eu tinha oito quando comecei, então posso reconhecer essa experiência inteiramente.
Radcliffe: Mas para responder a pergunta, é difícil para mim separar meu relacionamento com Harry do meu relacionamento com os filmes como um todo. Eu sou extremamente grato pela experiência. Me mostrou o que eu quero fazer pelo resto da minha vida. Descobrir cedo o que você ama é muita sorte. Eu fico intensamente envergonhado por algumas atuações, obviamente [Risos] mas sim, é como perguntar “Como você se sente sobre seus anos da adolescência?”. Há tanta coisa lá que é quase impossível escolher um sentimento único.
Wood: Eu concordo. Quando eu penso sobre O Senhor dos Anéis, eu penso sobre viver na Nova Zelândia, sobre os amigos que fiz, eu penso sobre a vida que tive como resultado daquilo, e o processo disso, e de viajar pelo país e essas locações selvagens que estávamos. A profunda experiência de vida que nos era dada enquanto fazíamos essa coisa. E Frodo é apenas o totem para aquela experiência, sabe.

Como foi para vocês dois, progredir suas carreiras na sombra desses grandes monolitos?
Radcliffe:
Eu descobri, na verdade, que é algo incrivelmente libertador, fazer a maior coisa que você fará na vida sendo jovem. As coisas de sucesso financeiro, está feito. Então é só fazer coisas que te fazem feliz. E eu realmente tive noção disso da sua carreira, Elijah. Tipo, todos os diretores lá fora ficavam “Eu consigo vê-lo apenas como Harry Potter”, e teve um que disse “Eu me pergunto se ele realmente fará essa coisa estranha pra c**?”, e eu fiz! [Risos].
Wood: Sim. Eu diria exatamente a mesma coisa se você não tivesse articulado isso. Sua carreira é tão radical. Você faz escolhas muito divertidas.

Daniel Radcliffe para a Empire
Daniel Radcliffe para a Empire Magazine (Empire/Reprodução)

Vocês dois se lembram de como cada um de vocês se sentiram quando estavam prestes a embarcar nessas jornadas épicas?
Wood: Eu estava ciente da magnitude disso. Tinha essa noção, não necessariamente em termos do quanto de sucesso isso faria, mas que nós estávamos prestes a ter uma jornada juntos; “Eu irei para a Nova Zelândia e viver lá por um ano – como um adulto”. Antes disso eu nunca tinha morado sozinho, certamente não fora do país. Para você, Daniel, quando você assinou, você sabia quantos livros seriam? Você tinha noção do tempo que isso possivelmente levaria?
Radcliffe: A primeira vez que assinamos, nós o fizemos para os dois primeiros. Eu fiz um trabalho para a BBC. Eu tinha feito um outro filme. Acho que talvez meu pai tinha lido os dois primeiros livros para mim, mas eu não tinha os lido sozinho, então eu não estava por dentro. Eu estava apenas pensando “Oh, legal, eu farei outro filme”, como se fosse um outro trabalho, apenas um pouco mais longo que os outros dois foram. Eu nunca tive a sensação esmagadora de entrar em algo massivo. Era mais o caso de eu ter terminado em algum ponto e pensava “Oh, foi muito divertido. Posso continuar?”. Todos os anos meus pais me perguntavam: “Você ainda está gostando? Ainda quer levar em frente?” e todo ano eu dizia “Sim!”.

CONFIRA Também:
A ESCOLA DO BEM E DO MAL | Kerry Washington e Charlize Theron entram para o elenco da adaptação

Qual foi a cena mais difícil que você se lembra de fazer?
Radcliffe: Hmm… A coisa com Potter é que, porque era minha única experiência com filme na época, coisas que pareciam incrivelmente loucas e massivas pareciam muito normais. Mas nós fizemos uma sequência na água para o quarto filme que as gravações duraram seis semanas e nós estávamos fazendo dez segundos de gravações utilizáveis por dia. Eu passei 41 horas em baixo da água nessas 6 semanas.
Wood: Eles te colocaram em um mergulhador?
Radcliffe: Oh, sim.
Wood: Veja, essa é uma coisa que as pessoas normalmente não pensam sobre quando você trabalha em um filme. Você tem essas oportunidades incríveis de ter experiências de vida que você não teria necessariamente. Eu consigo pensar em inúmeras que tive também. É um aspecto divertido do que fazemos.

Elijah Wood para a Empire Magazine
Elijah Wood para a Empire Magazine (Empire/Reprodução)

Qual foi seu momento mais difícil gravando Anéis, Elijah?
Wood: Inicialmente, nós estávamos gravando Sociedade pelos três primeiros meses, mas havia uma grande tempestade que varreu alguns dos nossos sets em nossa localização. Então tivemos que começar a usar capas de chuva, e essa foi uma cena do filme 3 nas escadas de Cirith Urgol, com Frodo, Sam e Golum, onde Frodo não se parece com o Frodo mais. Ele estava sucumbindo bastante ao poder do Anel e passando por uma grande transformação. Então, de um momento para o outro, eu tive que me ajustar aprocesso. E o divertido dessa história é que nós se quer filmamos minha cobertura. Nós filmamos o lado do Sam e não gravamos minha cobertura por mais um ano!
Radcliffe: Quando vocês filmaram todos [os filmes] juntos no primeiro bloco, era a maioria do Filme 1, depois maioria do Filme 2, depois maioria do Filme 3, ou vocês ficaram pulando entre eles?
Wood: Ficávamos pulando.
Radcliffe: Oh, isso é loucura!
Wood: Sim. Foi estranho. Depois daqueles três meses, dependia muito das locações, e ocasionalmente dependia da disponibilidade do elenco. Mas, eu acho, ocorreram quatro unidades de gravação disparadas simultaneamente, que eram essencialmente unidades principais. A sequência inteira da batalha do Abismo de Helm foram dois meses de filmagens noturnas pela segunda unidade.
Radcliffe: Wow. Eles devem ter emergido como soldados depois dessa batalha.
Wood: Ah, sim. Aquela foi uma experiência que eu se quer tive! Isso era tão abrangente. Mas para Viggo [Mortensen], para Orlando [Bloom], para todo aquele povo que estavam lá, foi uma experiência significante que eles compartilharam, de estarem delirantes às 4 da manhã, no frio, na chuva…
Radcliffe: É insano. Nós certamente não fizemos isso.

Você se lembra quando vocês assistiram os filmes um do outro – Sociedade para Dan e Pedra Filosofal para Elijah?
Radlicffe: Eu sinto que talvez eles tenham organizando uma exibição para alguns de nós do elenco de Potter, então nós assistimos rapidamente. Minha reação foi a reação de um garoto de 12 anos, que foi: “Legal!”.
Wood: Eu me lembro de assistir Harry Potter com minha família, porque eu estava em casa. Nós fomos a um tour para promover o primeiro filme, então eu devo ter assistido na época do Natal. Eu amei.
Radcliffe: Pergunta aleatória. Acabei de perceber – e sinto muito se isso é terrível para o tom da entrevista – mas ambos os filmes estrearam logo depois do 11 de Setembro. Isso afetou a divulgação de vocês, Elijah? Como crianças, nós não sabíamos o que estava acontecendo, mas eu lembro que eles nos levavam para todos os lugares com um jatinho particular, e nós estávamos “Uau! Nós vamos viajar de jato particular!”.
Wood: Nós estávamos cobrindo para a imprensa em Nova York, em setembro de 2001. Muitos membros do elenco – Orlando, Sean Bean e eu – fomos a um show da Jamiroquai no Hammersein Ballroom. Então, você sabe, voltar para o hotel, dormir por algumas horas, acordar, ir para o Aeroporto Newart para voltar para Los Angeles. E os aviões atingiram as torres enquanto estávamos no ar. Nós olhamos pela janela e pudemos ver que um dos prédios estava em chamas. Então houve um anuncio do piloto que um avião foi tomado por terroristas e que a FAA pediu a todas as aeronaves para pousarem. Nós pousamos em Cincinnati, onde eu fiquei por uma semana antes de poder voar novamente. Então, sim, eu presenciei diretamente isso. Foi super-surreal e assustador.
Radcliffe: Isso é loucura.
Wood: É divertido porque eu não penso muito sobre aquele evento no que se refere ao lançamento do primeiro filme, mas eles estão, para nós dois, conectados, porque era o que estava acontecendo no mundo.

Elijah Wood e Daniel Radcliffe para a Empire Magazine (Empire/Reprodução)

E ambos os filmes eram exatamente o que muitas pessoas precisavam assistir naquele tempo.
Wood: É o bem contra o mal. É por isso que aquelas histórias se mantém conectadas para as pessoas quando elas saíram. São personagens que conseguimos nos conectar, derrubando grandes adversidades e o mal. Isso sempre será universal.
Radcliffe: Eu também acho que é algo sobre como esses mundos são abrangentes, e o quanto são massivos, o que é confortante. Eu acho que ainda mais com Senhor dos Anéis, talvez, porque este mundo não existe nele, enquanto em Harry Potter eles estão lado-a-lado. Um amigo meu, David Holmes, foi meu dublê de golpe em Potter e ele estava testando um golpe do sétimo filme, ele teve um acidente terrível e ficou paralizado. Recentemente, ele teve que passar por um mês de cirurgias, e a coisa que ele colocou [na TV] foi Senhor dos Anéis. Isso o conduziu por tempos muito, muito difíceis. E eu sei que Potter é assim para algumas pessoas, também. É ótimo estar envolvido com algo que é tão significativo para as pessoas.
Wood: É um dos meus aspectos favoritos de ter participado de Anéis, com certeza. Eu estou constantemente ouvindo histórias de uma ligação pessoal: pessoas conhecendo melhores amigos ou pessoas que se casaram por agora como resultado disso. Uma história que me vem à mente é de quado eu conheci essa pessoa que tinha sido um viciado e se conectou ao personagem do Gollum, e aquilo o ajudou a sair do seu vício. É algo lindo que acontece, para muito além dos indivíduos que fizeram parte disso.

Falando em continuidade das coisas, O Senhor dos Anéis, da Amazon, está sendo produzido, e é claro que o universo de Potter continua por Criança Amaldiçoada e Animais Fantásticos.
Wood: Eu acho que é muito bizarro que eles estão chamando de “Senhor dos Anéis” em primeira mão, porque não é Senhor dos Anéis! Se passa durante a Segunda Era da Terra-Média, acho que mil anos antes do tempo que gravamos. Mas J.A. Bayona, o incrível diretor Espanhol, está gravando os dois primeiros episódios, e eles estão gravando na Nova Zelândia, o que é ótimo, porque eu acho que ao menos haverá uma continuidade visual. Será interessante.
Radcliffe: Em relação a Harry Potter, o mundo continua expandindo e isso é muito legal. As pessoas têm um amor genuíno por aquele mundo que é impossível de saciar. Mas não tenho visto nenhum deles. Como a peça, por exemplo – eu não a procurei. Eu não acho que eu retornarei para isso tão cedo.
Wood: Também não acho que irei, tampouco.
Radcliffe: Mas estou muito feliz por todos os outros estarem levando em frente.

Arquiteto e Urbanista aficionado por Cenografia e Cinema. Administrador do Sobre Sagas desde 2013 e apaixonado por adaptações cinematográficas, especialmente de fantasia.

Deixe seu comentário