A Sociedade da Neve: O que aconteceu com os sobreviventes do acidente após o resgate?

A Sociedade da Neve chegou à Netflix e ganhou a atenção do público, mas o que aconteceu com os sobreviventes da tragédia dos Andes após o resgate?

O desastre aéreo ocorrido nos Andes em 1972 se tornou uma lição de sobrevivência e superação para os 16 sobrevivente que, contra todas as probabilidades, retornaram à vida civil após 72 dias isolados.

Mais de meio século se passou desde o ocorrido e os sobreviventes seguiram caminhos distintos, transformando a adversidade em fonte de inspiração. Vamos conhecer as trajetórias que tomaram após o resgate.

a-sociedade-da-neve sobreviventes

Roberto Canessa

Roberto Canessa, um dos sobreviventes de maior destaque em A Sociedade da Neve, se formou em medicina e se tornou um dos maiores especialistas da América Latina em cirurgia cardíaca pediátrica.

Ele também se tornou palestrante motivacional, compartilhando as lições aprendidas nas nevascas dos Andes com audiências ao redor do mundo. Sua vocação para liderança também o levou para o campo político, e ele chegou a se candidatar à presidência do Uruguai em 1994, embora não tenha levado a campanha adiante.

Gustavo Zerbino

Gustavo Zerbino, ex-rugbista e sobrevivente, se lançou no mundo corporativo após o resgate.

Hoje, ele é o Diretor e CEO da Federação Uruguaia de Rugby, além de presidir uma importante câmara que congrega laboratórios multinacionais. Zerbino também segue o caminho das palestras, agora como especialista em gestão de adversidades, tema que ele conhece de perto e explora em seus discursos motivacionais.

Eduardo Strauch

Eduardo Strauch encontrou na arte e na arquitetura o seu refúgio após o resgate. Engajando-se em projetos criativos, co-fundou um ateliê de arquitetura e mergulhou no mundo das tintas como pintor.

Strauch casou-se com Laura Braga e formou uma família de cinco filhos. Ele também reconstituiu suas memórias no livro Out of the Silence: After the Crash, publicado em 2019, oferecendo um testemunho poderoso de sua jornada.

Álvaro Mangino

Álvaro Mangino optou por uma existência menos pública ao retornar do desastre. Dedicou-se ao negócio familiar com sistemas de ar condicionado e aquecimento, vivendo uma vida longe dos holofotes.

Ele compartilhou suas impressões sobre o acidente através de sua contribuição para o livro “Alive: The Story od the Andes Survivors. Hoje, saboreia a vida em Montevidéu ao lado dos netos, bastante contente em sua tranquilidade.

Nando Parrado

Nando Parrado se tornou uma das figuras mais ativas na mídia pós-resgate, e também é um dos sobreviventes em destaque em A Sociedade da Neve.

Co-autor do livro Milagre nos Andes: 72 Dias na Montanha e Minha Longa Jornada para Casa, sobre sua experiência desoladora, Parrado também se fez presente em documentários, impulsionando uma carreira como apresentador de TV.

Empreendedor e palestrante motivacional, sua presença é frequentemente solicitada em eventos onde sua história de resiliência é um exemplo para muitos. Parrado mora em Montevidéu.

A sociedade da Neve sobreviventes após o resgate

Antonio “Tintim” Vizintín

Seguindo os passos do direito, Antonio “Tintim” Vizintín fez sua graduação na área jurídica, mas sua carreira foi além dos tribunais.

Vizintín marcou presença no setor industrial, atuando nas áreas de embalagens plásticas e alimentícia. Com a determinação de um ex-jogador de rugby, chegou a ocupar o cargo de vice-presidente da União Uruguaia de Rugby, além de se dedicar a trabalhos filantrópicos e a compartilhar suas experiências em palestras.

Pedro Algorta

Pedro Algorta apostou na educação como caminho para reconstrução. Mudou-se para Buenos Aires, onde se especializou em Economia e mais tarde obteve um mestrado em Administração de Empresas.

A narrativa de seu tormento nos Andes foi meticulosamente detalhada no livro Into the Mountains: The Extraordinary True Story of Survival in the Andes and its Aftermath que publicou em 2016.

Alfredo “Pancho” Delgado

Alfredo “Pancho” Delgado tomou um caminho espiritualizado após a extraordinária prova de sobrevivência.

Ele escolheu compartilhar seus insights sobre os aspectos religiosos e morais do canibalismo necessário para a sobrevivência. Delgado se tornou um orador público. Sua presença foi marcante durante um encontro de rugby no Chile, homenageando o 40º aniversário do acidente.

Roy Harley

Roy Harley casou-se aos 28 anos e se tornou pai de uma filha. Ele encontrou uma nova vocação na engenharia civil. Além disso, Roy partilhou sua história extraordinária em documentários como “Alive: 20 Years Later”, “Stranded” e “Independent Lens“, contribuindo para a preservação da memória e das lições advindas daquela experiência.

José “Coche” Luis Inciarte

José Luis Inciarte, faleceu em 2023. Ao longo de sua vida após o resgate, Coche casou-se, teve três filhos e foi abençoado com netos.

Profissionalmente, ele assumiu papéis significativos na indústria do leite, servindo como diretor da Associação Nacional dos Produtores de Leite e da Conaprole no Uruguai. Ele também escreveu o livro Memoria de los Andes.

Os verdadeiros sobreviventes da tragédia dos Andes

Ramón “Moncho” Sabella

Ramón Sabella, fez carreira como empreendedor. Tendo escolhido o Paraguai como seu lar, em Assunção, ele se dedicou ao mundo dos negócios.

Sua vivência nas montanhas dos Andes se transformou em fonte de inspiração em palestras públicas, compartilhando sua história com pessoas de todos os cantos, incluindo os sobreviventes da mina de Copiapó, no Chile.

Javier Methol

Javier Methol perdeu sua esposa, Liliana entre as vítimas do fatídico acidente. Apesar do golpe devastador, ele encontrou amor novamente, casando-se e dando as boas-vindas a quatro filhos.

Profissionalmente, Javier dedicou-se à indústria do tabaco até seu falecimento por câncer em 2015.

Carlos “Carlitos” Páez

Carlos Páez, ou Carlitos, filho do renomado artista uruguaio Carlos Páez Vilaró, seguiu um caminho de sucesso pós-tragédia na área da publicidade fundando sua própria agência e coordenando vários outros negócios de comunicação.

Atualmente, ele está à frente de uma prestigiada empresa de Consultoria de Comunicação e Relações Públicas.

Roberto “Bobby” François

Roberto François, mais conhecido como Bobby, foi um dos poucos sobreviventes de A Sociedade da Neve que escolheu uma abordagem diferente, optando pela discrição e mantendo sua vida pessoal longe dos holofotes e das narrativas públicas sobre a tragédia.

Daniel Fernández

Daniel Fernández optou por manter suas recordações do acidente em silêncio por trinta anos antes de se abrir como orador público.

Transformando a sua provação em uma plataforma de aprendizado e inspiração, Daniel agora dedica-se à educação, atuando como professor de agricultura e compartilhando seu profundo conhecimento com a geração futura.

Adolfo “Fito” Strauch

Adolfo Strauch, outrora Fito, se dedicou à agricultura e é pai de quatro filhos. Seu relato sobre a sobrevivência e os dias nas montanhas foi documentado em produções como “Independent Lens“, “Alive: 20 Years Later“, e “Stranded: The Andes Plane Crash Survivors“, oferecendo uma perspectiva interna sobre a valorosa luta pela vida.

CONFIRA Também: A Sociedade da Neve, elenco completo do novo filme da Netflix

Aline ResendeFormada em Marketing e pós graduanda do curso de Língua Portuguesa e Literatura. Trabalha na área de comunicação como Criadora de Conteúdo além de fazer trabalhos de atuação e locução para materiais em vídeo. Pseudo-cinéfila e apaixonada por todo universo Geek.
Instagram
Fechar